Diretor da "bíblia psiquiátrica" admite que há hiper medicalização estimulada pelos laboratórios

Qui, 13 de Agosto de 2015 15:22 Rodrigo Travitzki
Imprimir

A "bíblia psiquiátrica" (o Manual Diagnóstico e Estatístico, DSM) é um grande livro que define as características de todos os "transtornos mentais" conhecidos. Ele é atualizado de vez em quando e foi dirido por Allen Frances durante anos. Em entrevista ao El País (em setembro de 2014), Allen admite excessiva medicalização da vida, estimulada pelas grandes empresas e "validada" pelo DSM.

Este é um fato importante para os educadores, visto que muitos dos comportamentos antigamente atribuídos a uma "normalidade caótica" das crianças, podem ser hoje erroneamente tratados como "anormais", usando o DSM como suposta base científica.

Allen Frances conta que conseguiram conter as propostas de inclusão de "novos transtornos mentais" até a quarta versão do DSM, em 1994. Depois disso a coisa começou a degringolar. Ele conta que:

"o DSM IV acabou sendo um dique frágil demais para frear o impulso agressivo e diabolicamente ardiloso das empresas farmacêuticas no sentido de introduzir novas entidades patológicas. Não soubemos nos antecipar ao poder dos laboratórios de fazer médicos, pais e pacientes acreditarem que o transtorno psiquiátrico é algo muito comum e de fácil solução. O resultado foi uma inflação diagnóstica que causa muito dano, especialmente na psiquiatria infantil. Agora, a ampliação de síndromes e patologias no DSM V vai transformar a atual inflação diagnóstica em hiperinflação."

Fonte: http://brasil.elpais.com/brasil/2014/09/26/sociedad/1411730295_336861.html

 

Última atualização em Qui, 13 de Agosto de 2015 16:06