Ranking de escolas teve efeitos perversos nos EUA

Sex, 29 de Novembro de 2013 12:12 Rodrigo Travitzki Políticas públicas de educação
Imprimir

Disponibilizo abaixo um texto recente de Diane Ravitch, que foi uma das grandes responsáveis pelas políticas de ranqueamento de escolas nos Estados Unidos e, depois de analisar os resultados dessas políticas, tornou-se uma grande crítica das mesmas.


Por que nós ranqueamos e taxamos alunos, professores e escolas?

Por Diane Ravitch
(tradução livre para o Rizomas)

Estive pensando ultimamente por que estamos tão obcecados dando a cada aluno, cada professor e cada escola um ranking, classificação e/ou série.

Parece-me que estamos a pensar em crianças, professores e escolas da mesma maneira que nós pensamos sobre equipes esportivas. Em cada liga, há vencedores e perdedores.
Mas se pensarmos a educação como uma cultura que é muito diferente da de uma liga esportiva competitiv
a, então a imagem e as perguntas mudam.
E se pensamos em escolas como se elas
fossem semelhantes às famílias?

Então, nós podemos trabalhar para desenvolver culturas escolares que são colaborativas e solidárias. Queremos ter certeza de que aqueles com as maiores necessidades têm os recursos de que necessitam. Gostaríamos de parar de pensar em vencedores e perdedores (e "corrida para o topo") e em vez disso pensar sobre o pleno desenvolvimento do potencial de cada ser humano.
É uma mudança de paradigma, certamente. Mas o atual paradigma de classificação, avaliação e classificação acaba por desmoralizar crianças, professores e escolas.

Temos de pensar e agir de forma diferente. Se o fizermos, não só teremos melhores escolas, mas uma sociedade melhor, onde as pessoas se ajudam umasàs outras em vez de encontrarem uma maneira de vencer os seus concorrentes.
Deixe o concurso para o campo dos esportes; guarde-o para as arenas em que se justifica.
Pense em cada criança como um ser humano precioso,
único. Pense nos professores como profissionais, que devem estar bem preparados, com o apoio e a autonomia para decidirem o que funciona melhor em suas salas de aula. E valorize a escola de cada comunidade como uma instituição de valor inestimável e insubstituível, que é central para a comunidade e essencial para a nossa democracia.

 


Tradução livre do texto “Why Do We Rank and Rate Students, Teachers, and Schools?", de Diane Ravitch, que pode ser encontrado no seu blog:

http://dianeravitch.net/2013/11/22/why-shoud-we-rank-and-rate-schools/

Última atualização em Qua, 12 de Março de 2014 15:29